O Castelo do Alemão (nazista) de Peruíbe - O castelinho

7
12:15
O Castelo do Nazista (Castelinho de Peruíbe)

Uma aura de mistério ronda o castelo do Alemão, localizado na Prainha, em plena Serra dos Itatins, em Peruíbe. Trata-se de um castelo com estilo medieval, abandonado que, dizem, foi construído por um alemão, membro do governo Nazista, fugido para o Brasil no final da Segunda Grande Guerra. Ninguém confirma isso (mesmo porque, os alemães sofrem com o estigma de que são nazistas, puro preconceito, nem todos cooptaram com o governo de Hittler), mas o castelo é uma visão estranha em meio a Mata Atlântica. Vale a visita.

Dizem que este castelo foi construido , em molde aos castelos litoraneos europeus medievais ,os devotos da instituição cavaleiros templários.

Castelo do Alemão (Nazista) em Peruíbe, em meio à reserva florestal da Jureia.

Conta a lenda que ali morou um nazista, na verdade professor Hardy Lopes Giusti, que mantinha uma mulher prisioneira na torre. O grupo foi pessoalmente ao local e conversou com a caseira que ainda mora ali, ao lado do Castelo, que contou ter trabalhado com ele e que na verdade era a mãe dele que era mantida trancada por ter problemas mentais. Dizem que ele se matou. Várias pessoas relatam conhecer o castelo desde os anos 70 em uma comunidade do Orkut feita para abordar as lendas que circulam aquela praia de Peruíbe.

Estivemos lá pessoalmente e tiramos fotos e fizemos vídeos da visita externa ao Castelo.
Uma das câmeras se estragou misteriosamente, baterias e pilhas tiveram que ser usadas para recuperação de imagens, pois descarregavam sem explicação e as 3 máquinas fotográficas embaçavam as imagens ao mesmo tempo. Ainda assim, conseguimos fazer alguns registros da rápida visita.

O que intriga é procurar saber o por quê o castelo é cheio de armadilhas, ganchos cortantes e cabos elétricos, além de imagens sinistras, como estátuas, brasões, cruzes, um calabouço visivelmente feito para prender e isolar alguém, entre outros mistérios.



 O Castelo está localizado em meio a mata da Prainha em Peruíbe. De difícil acesso, há muitas lendas na região, inclusive com várias ocorrências de luzes noturnas, episódios de mortes estranhas de animais que tiveram seu sangue sugado completamente sem deixar uma marca sequer nos pelos ou no solo, sem qualquer vestígio de tratar-se de outro animal ou ser humano. Tais fatos foram atribuído a ocorrências extraterrestres, mas tenho minhas dúvidas se não se trata de criatura maligna (vampiros ou demônios). Tais ocorrências de forma idêntica foram registradas em outros países da América do Sul e EUA. Trataremos disto mais pra frente.




Observe que ao lado foram construídas outras residências. Nos foi contado que ainda hoje um dos familiares é dono de uma dessas casas e habitualmente vem ao Castelo.  









Chegando na Torre do Castelo



Observe que o Castelo foi construído pedra por pedra.


Visão através da janela para parte interna do Castelo





Visão da Torre


Ganchos e pontas afiadas e cabos elétricos


Ao fundo está o muro com pontas afiadas que separa o Castelo da casa do familiar


Detalhe das pedras que formam o Castelo



Visão interna através de uma das janelas



A idade aproximada do Castelo é de no mínimo 40 anos. 


Impressão de algo lá dentro?


Vista interna da janela

O que chama mais a atenção é a silhueta branca ao fundo ou a sombra preta à esquerda?


Detalhe das "armadilhas" para afastar curiosos e intrusos... Ou impedir a fuga de alguém lá da Torre?




Repare nos ganchos (pontas afiadas) abaixo da janela


Porta da Torre: "Não entre" (escrito em vermelho)





Por que tantas fechaduras? Tanta segurança? Se são apenas ruínas...?


Visão debaixo da porta de entrada.






As muralhas


Ruínas de um gazebo do Castelo


Um dos cômodos da área externa do Castelo hoje usada como moradia por um rapaz solitário





Portão do Castelo com emblemas estranhos





Participaram desta expedição:

Daniel Santana
Maria Helenise Demétrio
Bárbara Caracyoli
Maristela Roman (Mari Rocha)

Assista as filmagens:




______________

Benzzino Gasolini - 26/04/2010 (Fonte: Comunidade sobre o Castelo no Orkut)

Já faz um bom tempo que na comunidade de Peruibe havia um tópico sobre lendas do castelo, e um cara postou uma história bem interessante (porém sem confirmações ainda são boatos, lendas mesmo) sobre o local e seu dono, o Prof. Hardy. Infelizmente algum hacker invadiu a comuna e todos os tópicos foram apagados. Vou escrever algumas coisas que lembro:

- Depois que o Prof. Hardy morreu, a polícia federal entrou no castelo e confiscou dólares, armas, livros, e pinturas acho. Uma delas mostrava uma parte da serra dos Itatins e não lembro se no mesmo quadro ou em outro, havia um ser luminoso.
Meu comentario: acho bem interessante o tal quadro mencionado, já que existe uma lenda em Peruibe sobre um tal Portal de Pedra, um lugar de onde sairiam OVNIs e seres luminosos. Este tal Portal de Pedra fica em um paredão rochoso na estrada que liga Peruibe à Prainha.

- Não sei aonde ele foi enterrado, mas o cara que postou disse que foi no cemitério de Peruibe e que uma noite alguém viu um tipo de demônio perto do túmulo, e este demônio se assemelhava a uma figura que estava na capa de um dos livros confiscados.
Meu comentário: muitos dizem que ele era um nazista, e eu já li em muitos lugares que havia um grande movimento nazista ocultista que perseguia artefatos desconhecidos, cidades perdidas, coisas do gênero. Se isso é mesmo verdade, então ele poderia ter mesmo livros raros ali dentro. Aliás, eu até acho que ele podia estar ali procurando uma entrada para alguma cidade perdida dentro da montanha.

Sei que é tudo muito fantasioso, tudo não passa de boatos. Mas vai que alguém também ja ouviu a mesma coisa... Ou melhor ainda: vai que alguem confirme alguma dessas informações!

Existe uma placa com palavras em um idioma que parece latim. Após ver uma foto da placa, pesquisei um pouco e descobri que se trata do início do Canto 3 - 'Portais do Inferno' da "Divina Comédia" de Dante Allighieri.
A inscrição que existe (embora eu nunca tenha visto pessoalmente a placa) em algum lugar perto do castelo é a seguinte:

"Per me si va ne la città dolente,
per me si va ne l'etterno dolore,
per me si va tra la perduta gente.

Giustizia mosse il mio alto fattore:
fecemi la divina podestate,
la somma sapienza e 'l primo amore.

Dinanzi a me non fuor cose create
se non etterne, e io etterno duro.
Lasciate ogne speranza, voi ch'entrate"

Traduzindo:

"Por mim se vai das dores à morada,
Por mim se vai ao padecer eterno,
Por mim se vai à gente condenada.

Moveu Justiça o Autor meu sempiterno,
Formado fui por divinal possança,
Sabedoria suma e amor supremo.

No existir, ser nenhum a mim se avança,
Não sendo eterno, e eu eternal perduro:
Deixai, ó vós que entrais, toda a esperança!”

Agora, a razão para o Hardy ter deixado registradas essas palavras ali está além do meu conhecimento.
_________________________________________________

Apenas o áudio de conversa com moradora, hoje vizinha da propriedade, que trabalhou como caseira do "nazista". A partir dos 4 minutos de gravação, iniciamos a gravação de imagens e repare como estranhamente a câmera está embaçada. Detalhe: as outras 2 câmeras do grupo também estavam embaçadas no mesmo momento:


Depois de normalizada a situação, registramos nossa visita ao Castelo: E pra encerrar, registro que precisamos de muitas baterias e pilhas, além de várias tentativas pra poder finalizar e colocar essa matéria no ar. Estranhamente, a pilha e baterias acabavam, a câmera usada apareceu trincada internamente no visor (cristal líquido), enfim... coincidências sobrenaturais!

Sobre nós

Buscamos verificar a veracidade de histórias sobrenaturais, com respeito, responsabilidade e de forma científica. Não queremos causar nenhum tipo de sensacionalismo, mas buscar a verdade e a comprovação através de entrevistas pessoais, pesquisas, visitas, averiguação pessoal e tentativa de contato investigativo com registros por foto, vídeo e áudio.

7 comentários:

  1. Olá pessoal. A cruz dupla é usada em algumas ordens antigas como a maçonaria e os templários. Representa o que está encima como o que esta embaixo. O micro e o macro. A outra cruz logo acima é a mais antiga de todas foi usada por São Francisco e antes por Akenathon dentre outros. Sobre o nosso professor, era um estudioso do bem mas provavelmente cometeu suicidio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrando, analisando as cruzes posso afirmar que nem todos os livros e objetos foram confiscados e provavelmente esse casrelo tem um porão que deve ser bem interessante. Em breve irei até lá investigar por conta própria.

      Excluir
  2. Há mais de trinta anos eu frequentava a prainha junto com um grupo formado por pesquisadores de fenômenos ufológicos, aventureiros e apaixonados por camping. Esse castelinho era novo, e construções ainda estavam em andamento. Havia uma placa informando o nome do Prof. Hardy, o estilo que inspirara a construção e o nome da mesma, "Mansão da Solidão". Um casal de pescadores locais, de quem nos tornamos amigos, falaram que ele morava lá com a mãe, mas quase não era visto. O silêncio era absoluto, jamais vimos qualquer movimento lá.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Em primeiro lugar, o idioma é italiano atual e está muito mal traduzido.Em segundo lugar os símbolos são parte de uma decoração e não se pode dizer nada através de suposições que forçam a fantasia das pessoas. Cuidado pois daqui a pouco estaremos queimando pessoas em praça pública como durante a Inquisição! Não se pode falar da índole de alguémque não se conhece!Para falar qqr.coisa pesquise antes ou poderá ter consequências graves!

    ResponderExcluir
  5. A visita a este lugar é pura perda de tempo. Castelinho não é alemão coisa nenhuma. Pode ser no máximo Made in Taiwan. Nem perca o seu tempo.

    ResponderExcluir